PRINCIPAIS EDULCORANTES Contidos Nos Alimentos Dietéticos::

Aspartame (artificial/não calórico) – É contra-indicado aos portadores de uma deficiência rara, a fenilcetonúria, na qual o organismo é incapaz de metabolizar a fenilalanina, e que pode ser detectada após o nascimento da criança pelo chamado “teste do pezinho”. Por isso, é obrigatória a advertência no rótulo dos alimentos com aspartame, em destaque e em negrito: contém fenilalanina.

Pesquisas científicas atestam a segurança do aspartame, desde que consumido dentro dos limites estabelecidos. Por outro lado, existem outras fontes que o consideram inseguro para a saúde. Recentemente, a European Ramazzini Fundation of Oncology and Environmental Sciences (ERF), instalada na Itália, divulgou um estudo feito com 1.800 ratos mostrando que o aspartame é um agente cancerígeno.

Três entidades emitiram notas afirmando que os estudos divulgados não são conclusivos: a européia European Food Safety Authority (EFSA), a norte-americana Food and Drugs Administration (FDA) e a Anvisa.

adocantes

PRINCIPAIS EDULCORANTES contidos nos Alimentos Dietéticos. Imagem:divulgação

Ciclamato sódico (artificial/não calórico) – Aprovado em diversos países, inclusive no Brasil, mas não nos Estados Unidos. Uma das suspeitas é que a substância causaria tumores em ratos. Em 1985, novos estudos concluíram que o edulcorante não era cancerígeno, mas os EUA não o libera, baseado em relatos de alterações de pressão sanguínea.

O edulcorante seria responsável também por alterações genéticas e por atrofia testicular. Cinqüenta vezes mais doce que a sacarose (açúcar), é contra-indicado para hipertensos e portadores de problemas renais.

Sacarinas (artificial/não calórico) – Sódica ou cálcica, a primeira substância adoçante sintética a ser descoberta (1878), tem poder adoçante 500 vezes maior do que a sacarose e também não é indicada para hipertensos e doentes renais. Também é suspeita de provocar câncer e quase foi proibida para uso nos EUA em 1977.

Acessulfame-k (artificial/não calórico) – Adoça 200 vezes mais que a sacarose e é igualmente desaconselhável para hipertensos e portadores de doenças renais.

Sucralose (artificial/não calórico) – Esse adoçante possui um sabor agradável e não tem contra-indicações.

PRINCIPAIS EDULCORANTES contidos nos Alimentos Dietéticos.

PRINCIPAIS EDULCORANTES contidos nos Alimentos Dietéticos. Imagem:divulgação

Steviosídeo (natural/não calórico) – É a melhor opção para quem deseja manter a dieta. É extraído da planta Stevia Rebaudiana, originária da fronteira do Brasil com o Paraguai. Não possui contra-indicações, mas deve ser consumido com moderação pois pode elevar a taxa glicêmica e provocar diarréia. Seu poder adoçante é 300 vezes maior do que a sacarose.

Lactose (natural/calórico) – Carboidrato extraído do leite, é bastante utilizado como diluente nos adoçantes líquidos ou como veículo nos adoçantes em pó. Pessoas com intolerância à lactose devem evitá-lo, mas ele não oferece riscos a diabéticos.

Frutose (natural/calórico) – Extraído do açúcar das frutas, de alguns vegetais e do mel, pode ser consumido por diabéticos, sob orientação médica, mas é desaconselhado para regimes de emagrecimento por ser calórico. O consumo em excesso pode elevar os triglicérides e dificultar a absorção do cobre, importante na síntese da hemoglobina.

Sorbitol (natural/calórico) – Tem o poder de adoçar igual ao da sacarose e se transforma em frutose ao ser ingerido. Desaconselhável para pessoas obesas e diabéticos que não controlam bem a dieta. Assim como o manitol e o xilitol, pode acarretar perda de cálcio pelo organismo, entre outros minerais, favorecendo a formação de cálculos.

Manitol (natural/calórico) – Adoça 70% mais que a sacarose. Em doses excessivas pode funcionar como laxante. Para diabéticos não oferece riscos.

Xilitol (natural/calórico) – Tem sabor muito parecido ao da sacarose e é recomendado na prevenção de cáries, mas nas primeiras ingestões, pode causar diarréia.

Maltodextrina (natural/calórico) – Extraído do milho, é mais usado como diluente nos adoçantes artificiais. Adoça 50% mais que a sacarose.

Dextrose (natural/calórico) – Também derivado do milho e muito usado em alimentos dos mais variados tipos. Adoça 70% mais que a sacarose.

ALIMENTOS DIETÉTICOS e a verdade por trás das bebidas “Light”

Fonte: IDEC – Instituto de Defesa do Consumidor www.idec.org.br
e Universidade de Caxias do Sul – RS

Pesquisa do Idec constata:
Adoçantes e bebidas “light” desrespeitam o Código de Defesa do Consumidor

Nos últimos 13 anos, o setor de edulcorantes cresceu 1.875% , movimentando em 2003, US$ 3 bilhões. Ou seja, 35% dos lares brasileiros consomem algum tipo de produto light ou diet, sendo mais freqüentes os adoçantes de mesa, refrigerantes e sucos

Pesquisa do Idec constatou que adoçantes e bebidas light ou diet desrespeitam o Código de Defesa do Consumidor (CDC) ao não divulgarem a informação de risco à saúde ao consumidor em suas embalagens. Em todos 24 adoçantes de mesa analisados, nenhum deles trazia a comunicação sobre o limite de consumo diário. O mesmo ocorreu com 25 bebidas dietéticas e 4 sucos em pó convencionais.

O grande risco está no fato de o consumidor ultrapassar a IDA (Ingestão Diária Aceitável) do edulcorante sem saber.

PRINCIPAIS EDULCORANTES contidos nos Alimentos Dietéticoss

PRINCIPAIS EDULCORANTES contidos nos Alimentos Dietéticos. Imagem:divulgação

Proibido nos Estados Unidos, mas utilizado no Brasil, o ciclamato sódico pode comprometer a saúde do consumidor, pois há indícios de que seja responsável por alterações genéticas e atrofia testicular. O produto é contra-indicado para hipertensos e portadores de problemas renais. No Brasil, ele é encontrado em vários refrigerantes como Coca-Cola Light Lemon, Sprite Zero, Dolly Guaraná Diet, Guaraná Diet, Soda Limonada Diet Antarctica, entre outros. A gravidade acontece justamente porque o consumidor pode ultrapassar facilmente a IDA, como nos exemplos a seguir:

Se uma criança (de 30kg) consumir 1 lata de Sprite Zero, já excedeu o seu limite diário de ciclamato. O mesmo ocorre se um homem (70kg) consumir 2,8 latas de Coca-Cola Light Lemon ou se uma mulher (55kg) consumir 2 latas de Dolly Guaraná ou Limão Diet.

Sugestões aos consumidores:

O mais importante é reduzir a ingestão de açúcar e adoçantes e apreciar o sabor natural dos alimentos; Consultar sua nutricionista quanto à utilização de edulcorantes, especialmente durante a gravidez;

Calcular sua ingestão diária para cada edulcorante, conforme a fórmula apresentada, jamais ultrapassando a IDA recomendada para cada uma dessas substâncias;

Diversificar o uso de edulcorantes como forma de evitar reações adversas decorrentes de possíveis acúmulos no organismo;

Verificar se os adoçantes de mesa e/ou alimentos consumidos contém edulcorantes não recomendados para sua condição de saúde (hipertensão arterial, diabetes, fenilcetonúria, etc.);

Dar preferência às marcas de alimentos e/ou adoçantes de mesa que informam as quantidades de edulcorantes utilizadas.

PRINCIPAIS EDULCORANTES

PRINCIPAIS EDULCORANTES contidos nos Alimentos Dietéticos. Imagem:divulgação.

ALIMENTOS DIETÉTICOS e os PRINCIPAIS TIPOS DE DIETAS:

Dieta Dr. Atkins (Dieta Protéica)

Libera totalmente o consumo de gorduras e proteínas. Recomenda refeições ricas em carne vermelha, ovos, maionese, creme de leite e manteiga. Restringe a ingestão de carboidratos (arroz, batata e derivados de grãos, como pão, macarrão, etc.) e proíbe ingredientes à base de açúcar. É pobre em vitaminas, minerais e fibras alimentares.

Quando surgiu: foi proposta pela primeira vez nos anos 70 pelo cardiologista americano Robert Atkins. Publicada em livro pela Editora Record (edição esgotada), voltou a fazer sucesso quase 30 anos depois.

O que promete: perda de 5 quilos em 15 dias. O baixo consumo de carboidratos diminuiria a produção de insulina e ajudaria a queimar mais gordura. Muitos médicos duvidam da eficiência de tal mecanismo de ação.

Exemplo de refeição: Cheeseburguer com omelete e um prato de salada.

Avaliação: reduz o apetite e garante rápida perda de peso. Mas a alimentação gordurosa aumenta o colesterol no sangue e o excesso de proteínas sobrecarrega os rins. O regime provoca mau hálito, náuseas e dor de cabeça.

dieta proteica

Dieta Dr. Atkins (Dieta Protéica). Imagem:divulgação

Dieta do Tipo Sanguíneo

Como é: propõe uma alimentação distinta para os portadores de cada tipo de sangue. Alguns exemplos: frutos do mar e espinafre para indivíduos com sangue tipo O, legumes e verduras para o tipo A, carne para o tipo B, leite para o tipo AB.

Quando surgiu: o livro A Dieta do Tipo Sanguíneo, do americano Peter J. D’Adamo, fez sucesso em 1998. No Brasil, o método foi popularizado pelo médico Sérgio Teixeira, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Neste ano, ele lançou A Dieta que Está no Sangue.

O que promete: o indivíduo atingiria o “peso ideal” depois de submeter-se ao regime. Não determina, contudo, a quantidade de quilos perdidos.

Exemplo de refeição: coelho grelhado (700 gramas) como molho de iogurte, chicória e salsa. Ovos nevados como sebremesa.

Avaliação: não existe uma relação comprovada pela ciência entre tipo de sangue e queima do tecido gorduroso. A proibição de ingredientes associa a dieta a sensações de fome e sofrimento. Pode haver perda de massa muscular em vez de gordura.

dieta tipo sanguineo

Dieta do tipo sanguíneo. Imagem:divulgação.

Dieta da Frutas (Beverly Hills)

Afirma que enzimas encontradas em algumas frutas tais como o abacaxi e o mamão aceleram a queima de gordura de reserva. Produtos tropicais como abacaxi, papaia e melancia podem ser ingeridas à vontade.

Recomenda a ingestão de fruta e nunca a mistura de proteínas com hidratos de carbono, para que os alimentos sejam bem digeridos e os seus nutrientes não sejam armazenados como gordura.

O regime tem a duração de 35 dias,com diferentes gêneros alimentares em cada refeição. O número de calorias não é contabilizado, mas o plano é muito meticuloso e deverá ser seguido à risca.

Em termos gerais, nos primeiros dez dias apenas são permitidos frutos; no 11º dia manteiga e hidratos de carbono; no 19º  as proteínas. Alimentos com gordura são permitidos. O consumo de cafeína é proibido e o de champanhe ilimitado !

dieta das frutas

Dieta das Frutas. Imagem:divulgação.

Os poucos alimentos permitidos tornam esta dieta muito limitada. Além disso, não tem qualquer tipo de base científica. Os níveis de ingestão de proteínas são assustadoramente reduzidos bem como as quantidades de vitaminas e minerais essenciais.

Como a base desta dieta são as frutas em grandes quantidades em detrimento de outros alimentos há uma carência em proteínas, cálcio, vitaminas D, E, B12, Ferro, Zinco e Cobre. Como é também uma dieta muito monótona, torna-se enjoativa, e em um curto prazo o paciente a abandona voltando novamente aos antigos hábitos alimentares, engordando tudo novamente.

Dieta do Biotipo

Fé nos órgãos vitais

Como é: afirma que cada pessoa é regida por um órgão vital: pulmão, rins, fígado ou coração. Para descobrir seu tipo físico, o leitor deve responder um questionário sobre hábitos e comportamentos. Há perguntas sobre pontualidade e postura no ambiente de trabalho. Oferece um cardápio específico para cada biotipo.

Quando surgiu: é a dieta da moda. Os seguidores dizem que é fundamentada na “biotipologia”. Segundo essa teoria, todos os males podem ser tratados pela alimentação. O regime mistura antigos princípios da medicina praticada na Índia e na China.

O que promete: perda mensal de 5 quilos. E assegura que não há risco de flacidez.

Exemplo de refeição: alface, azeitonas, brócolis, camarão e arroz integral.

Avaliação: ocorre perda de peso porque a dieta é baseada em alimentos pouco calóricos e com boa quantidade de fibras alimentares. É impossível garantir a ausência de flacidez porque ela não depende só da alimentação. A baixa ingestão de proteínas pode provocar enfraquecimento das defesas imunológicas.

dieta do biotipo

Dieta do Biotipo. Imagem:divulgação

Dieta Dr. Ornish

O poder das Fibras

Como é: propõe uma dieta rica em frutas, grãos integrais e totalmente isenta de alimentos de origem animal. Proíbe carne vermelha, frangos, peixes, azeite de oliva e derivados do leite.

Como surgiu: foi criada pelo cardiologista californiano Dean Ornish, autor de cinco best-sellers sobre dieta. O livro Salvando o Seu Coração foi publicado no Brasil em 1995.

O que promete: diz que a redução do consumo de gordura a 10% do total diário de calorias previne doenças cardíacas, emagrece e prolonga a vida.

Exemplo de refeição: hambúrguer de soja no pão integral, milho e pêra ao vinho.

Avaliação: pode ser seguida por, no máximo, um mês. O total de quilos perdidos depende das quantidades ingeridas e da necessidade calórica de cada indivíduo. A falta de nutrientes (aminoácidos e ferro) pode desencadear anemia.

dieta fibras

Dieta de Fibra. Imagem:divulgação.

Dieta dos Pontos

Liberdade de Escolha

Como é: o valor calórico dos alimentos é convertido em pontos. Mulheres consomem 300 por dia e homens podem chegar a 400. Cada ponto equivale a 3,6 calorias. As refeições devem incluir carboidratos, gorduras e proteínas.

Quando surgiu: método adotado há 30 anos por vários endocrinologistas, foi publicado em livro, no ano passado, pelo médico Alfredo Halpern.

O que promete: perda de peso média de 3 a 4 quilos por mês.

dieta dos pontos

Dieta dos Pontos. Imagem:divulgação.

 

Exemplo de refeição: um pires de bacalhau, duas colheres de sopa de arroz e de palmito, salada de agrião à vontade e uma colher de sopa de doce de leite.

Avaliação: é equilibrada e pode ser seguida por tempo indeterminado. O peso perdido a cada mês pode ultrapassar os 4 quilos. Torna-se inadequada se o indivíduo não escolher os alimentos corretamente. Nesse caso, o regime fica carente de nutrientes essenciais.

Caso ainda tenha dúvidas, consulte um nutricionista.

Dieta e Nutrição, Alimentos Dietéticos e alimentação saudável